ISSN 1831-5380
Mapa do sítio | Advertência jurídica | Cookies | Perguntas mais frequentes | Contacto | Imprimir a página

10.9. Nomes numerais (números)

Algumas regras de base

Geralmente, os nomes numerais (números) que se encontram num texto são considerados palavras e escrevem-se por extenso. Indicam certo número de pessoas, coisas, animais, ações, qualidades e estados:

faltam três dias para que a conferência tenha lugar; a semana tem sete dias; os quatro da vida airada

Escrevem-se por extenso os números que representam quantidades, percentagens, etc., quando aparecem no início de uma frase:

vinte e duas medidas foram votadas em assembleia

Nos quadros e enumerações, ou quando se comparam resultados estatísticos, os números escrevem-se com algarismos.

As percentagens, pesos e medidas escrevem-se numericamente:

7 % do volume de negócios; 3 litros

As centenas e milhares escrevem-se quer por extenso quer numericamente:

100 000 ou cem mil

Se os números citados forem superiores ao milhão, podem escrever-se as centenas numericamente e os milhares ou milhões por extenso:

250 milhões de toneladas; 34 mil milhões de euros

Os números fracionários escrevem-se geralmente por extenso. Para as frações a partir de onze (inclusive), emprega-se o sufixo avos:

um sexto; três quinze avos

Dos números multiplicativos apenas dobro, duplo, triplo e quádruplo são de uso corrente. A partir de cinco, usa-se o cardinal correspondente seguido da palavra vezes:

sete vezes maior

Deve evitar-se a colocação do ponto na separação dos milhares das centenas; é preferível deixar um espaço:

123 456 789

Os nomes numerais dividem-se em:

a)
Cardinais: os que exprimem o número:
três, quinze, vinte e cinco
b)
Ordinais: os que exprimem série ou ordem:
primeiro, sexto, milésimo
c)
Multiplicativos ou proporcionais: os que indicam multiplicidade de pessoas, coisas ou animais:
aumentativos:
duplo, triplo, etc.
diminutivos ou fracionários:
meio, um terço, etc.
d)
Coletivos: os que designam no singular um grupo de seres:
a dezena, uma quinzena
N.B.:
Todos os multiplicativos são esdrúxulos, exceto duplo, dobro e triplo.

No entanto, se no texto houver muitos dados numéricos, os números escrevem-se com algarismos, normalmente árabes, às vezes romanos, para facilitar a leitura e compreensão ou para realçar as diferenças.

Nos casos não previstos a seguir, no ponto 10.9.1, escrevem-se os números por extenso até «nove», inclusive, por haver apenas um algarismo e, sobretudo, para se evitar possíveis confusões entre certos números e letras («0» e «O», «1» e «l»).

Ortografia e leitura

Três com «s»; mas treze, trezentos com «z»;
catorze com «c» (e não quatorze, como no Brasil);
dezasseis, dezassetedezanove com «a» e não com «e», a coordenar com os numerais;
sexto, com «x», mas seiscentosseiscentésimo com «s»;
sétimo, sem «p», mas septuagésimoseptingentésimo em que se lê o «p»;
escreve-se «z» e não «s» de 1019 e em duzentostrezentos;
escreve-se «s» (lê-se «z»), e não «ss» nem «ç», na terminação -ésimo dos ordinais de 20 em diante;
escreve-se «x», que se lê «s», em sextosêxtuplo;
com exceção de quíntuplo, articula-se sempre o «u» do grupo «qu» dos numerais;
a leitura dos fracionários, quando feita com a designação «avos», far-se-á sempre com esta palavra no plural, a não ser que o denominador seja a unidade (um doze avos, três um avo);
escreve-se milhão no singular, quando nos referimos à unidade (1 milhão); nos restantes casos, escreve-se milhões (0,987 milhões, 1,756 milhões, etc.).
Última atualização: 11.6.2020
Topo da página
Página anteriorPágina seguinte